Ontem em palestra na ECA, Paulo Cursino afirmou que “o cinema brasileiro, o audiovisual brasileiro em geral é muito chapa branca”. Ele tem toda razão.


Sem pena de Eugenio Puppo não é um filme chapa branca.